Um Kopi Luwak mais sustentável

O Kopi Luwak é delicioso, mas ao mesmo tempo muito controverso – já que levanta questões como maus tratos a animais. Mas temos que admitir que a fermentação envolvida na produção dele (que ocorre no estômago do bicho) é para lá de curiosa. E foi justamente para entender mais sobre este aspecto que Camille Delebecque e Sophie Deterre criaram a empresa Afineur, cujo objetivo é descobrir como esse processo pode afetar o café sem agredir o meio ambiente e o próprio Luwak.

Com laboratório no Colégio Universitário de Cork (Irlanda), o que mais chama a atenção da dupla não é o animal em si, mas o que a própria fermentação feita por ele faz com as características do grão. A intenção das pesquisadoras é entender como tal processo pode alterar sensorialmente o café, tanto em sabor quanto em aroma.

Segundo o site Sprudge, para esta tarefa são necessários grandes maquinários, responsáveis por analisar quimicamente as mudanças ocorridas no grão após a fermentação. Com isto, eles querem afastar ao máximo a utilização dos Luwaks e dar ao mercado uma versão mais sustentável da bebida.

Os pesquisadores garantem que o método é totalmente natural e usa processos microbianos semelhantes aos utilizados na produção, por exemplo, de cervejas ou queijos. Ele ainda é feito de forma que os óleos essenciais e as propriedades do café não se percam durante a fermentação.

Os usos práticos do processo vão desde cafés descafeinados a produtos que não agridem os estômagos mais sensíveis. Para acompanhar a evolução nas pesquisas da dupla de estudantes, basta acessar o site da empresa.

Por: Lucas Tavares

Escrito por Mexido de Ideias em Saúde